Amar, olhar, reconectar

Atualização #1 – Tabela TIPI

Por que oficializar o meu negócio?

O trabalho não precisa ser um fardo pesado

O trabalho não precisa ser um fardo pesado

Divana, por que você está escrevendo sobre isso e não ainda diretamente sobre Empreendedorismo, Negócio e Gestão? Tenho uma resposta bem simples pra você, mas como uma pergunta.

O que todos eles têm em comum?

Você. 

Se você não tiver o conhecimento de quem você é, do que é importante para você em todos esses temas, algumas coisas podem não funcionar a longo prazo. E talvez nem um prazo tão longo assim, basta algumas coisas começarem a dar errado. Pode ser que você até saiba do que estou falando. E pode ser que você não passou por isso ainda.

Um dia todos vamos passar por isso. E o conceito do trabalho não como uma obrigação para ganhar dinheiro somente é tão importante.

O dinheiro pode ser um meio, mas não totalmente o fim

Já escrevi aqui sobre como a sua vida é um empreendimento, como a gestão do tempo é importante, e sobre as prioridades para que as coisas andem. Agora, vamos discutir sobre o trabalho, e em como ele não é uma maldição. Pois é, para que as coisas comecem a andar, precisamos ver o trabalho como um meio para um fim bom, e não um fim que só dá mais tristezas.

Em algumas culturas o trabalho é visto como algo negativo, um fardo pesado demais para carregar. Algo ruim, que só traz cansaço e nada mais. Mas não é exclusivamente verdade isso. Dá sim alguma tristeza, algum problema, dependendo do que você faz, principalmente se agora é por uma questão de sobrevivência. Mas, isso pode ser modificado. Nenhum trabalho ruim é pra sempre, você só precisa mudar esse conceito.

Indo para a religião (só um pouco, porque a raiz histórica está lá – e em diversas, ok?), o trabalho é visto como maldição por causa do pecado que nasceu no início. Depois disso, o suor do rosto, o trabalho pesado, foi visto como consequência de tudo o que aconteceu ao contrariar Deus. Mas, sempre pegamos esse pedaço e dizemos: o mundo acabou. Mas não é verdade.

O trabalho sempre existiu antes do pecado, e sempre foi prazeroso. Ao homem e à mulher foi dado o cuidado, e o trabalho era bom, era prazeroso. O fim para o trabalho tinha um propósito: deixar a terra fértil para que nascessem bons frutos para alimento de todos os seres vivos. Esse propósito os faziam trabalhar felizes (talvez com alguma reclamação no meio, pelo cansaço), mas felizes, sabendo que o fim valia muito à pena.

Olhe para o seu trabalho

E, nesse contexto, peço para que olhe o propósito do seu trabalho hoje. O coração dele, não ganhar dinheiro. Ganhar dinheiro é o mais “fácil”. Veja o resultado do seu trabalho, e verifique se não é bom pra você. Pode até mesmo estar alinhado ao dinheiro, como cuidar da sua família, aquela viagem… Mas precisa ser um pouco mais que isso, para que as coisas comecem a fazer sentido agora, e possamos caminhar mais para questões técnicas.

É extremamente necessário mudarmos um pouco a chave da nossa mente, para fazer as coisas terem sentido, e assim trabalharmos melhor, sermos melhores, com a gente e com o próximo.

Qual o propósito do seu trabalho? O que está por traz dele?

Minhas redes sociais: @divanabarbosa.

Esse post faz parte de uma série de artigos publicados por mim na newsletter fixent, no LinkedIn. Essa newsletter é da minha propriedade, da mesma forma que todo o conteúdo publicado, exceto quando identificado. Para publicação em outros materiais, favor entrar em contato.

Comente este post!